segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Brincando no mangue



Em uma manhã de sábado fui até o sitio de Seu Moiséis comprar camarão.
Seu Moiséis é filho de pescador e responsável por uma grande área de mangue na ilha de Colares próximo a comunidade do Ariri. Possui uma família grande de dez pessoas, todos envolvidos nas atividades que garantem o dia a dia.
Nunca havia percebido a grandeza daquele lugar como nessa manhã, pois, sempre me detive a ficar no retiro onde ele e sua esposa, Dona Jack produze a farinha com côco mais gostosa da região.




Dona Jack, é uma dona de casa e artesã de mão cheia, sempre fazendo atividades relacionadas ao extrativismo vegetal como o óleo de andiroba e cupaiba que ela vende para os moradores da ilha e turistas.
Seu Moiséis também é carpinteiro naval, taifeiro, artesão e pescador, mestre que educou os filhos com o conhecimento popular mais rico que se pode obter por essas bandas.
Seu Moiséis fabrica matapi (estrutura feita de tala de guarumã utilizada para pegar camarão) de garrafas pet coletadas na cidade (Colares), ensinando seus filhos a respeiratarem a natureza reutilizando materiais recicláveis.





Ele delegou seu filho, Lucas, para nos guiar por entre o mangue e conhecer as maravilhas daquelas terras e águas.
Lucas, é um garoto esperto de onze anos conhecedor da área e de todas as histórias.
A cada árvore que ele conhecia, nos informava o nome, e falava sua utilidade e aplicação medicinal. Nos apresentou o breu branco (resina de uma árvore utilizada para fazer perfume e defumação para espantar mosquitos). Junto com seu irmão, o menino Messias, nos levaram pelos caminhos criados por seus avós e nos apresentaram a pequena "cachoeira" dentro do mangue onde brinca com seus irmãos.

















Assim que chegamos a praia, logo nos encantamos com a paisagem, respiramos um ar puro sentindo o vento gostoso vindo do litoral.
Iniciamos um processo de transformação, decidimos batizar nosso amigo o Profº João Carlos com a famosa lama negra tão falada na região, devido seu poder de cura e senbilização.



Um comentário:

Bruna Suelen disse...

texto tão bom amor.